fbpx

Vetnil reforça a importância da doação de sangue animal

10 de junho de 2020

Comemorado em 14 de junho, o Dia Mundial do Doador de Sangue foi idealizado para promover a importância da doação de sangue humano. Porém, a data também é uma oportunidade para incentivar a doação de sangue animal, que contribui para salvar muitas vidas. Algumas pesquisas indicam que a maior parte dos tutores de cães e gatos não têm conhecimento sobre os bancos de sangue veterinários. Por isso, a Vetnil, como parceira de quem cuida, reforça e incentiva a doação de sangue animal.

A doação de sangue é extremamente segura, mas assim como existem algumas restrições para a doação em humanos, também existem para os pets. No caso dos cães, os hemocentros genericamente aceitam cães com pelo menos 25 kg de peso corporal, entre 1 e 8 anos de idade, com vacinação e vermifugação atualizadas e correto controle de pulgas e carrapatos. Além disso, é importante que o animal esteja saudável, nunca tenha recebido transfusões de sangue e não utilize medicamentos de uso contínuo (como insulina ou medicamentos para controle de insuficiência cardíaca, por exemplo).

Já no caso dos gatos, os doadores devem ter pelo menos 4,0 kg de peso corporal, entre 1 e 8 anos de idade e estar com vacinação e vermifugação atualizadas, bem como ter um controle adequado de pulgas. Os felinos também devem estar saudáveis, nunca ter recebido transfusões de sangue, tampouco utilizar medicamentos de forma contínua e, preferencialmente, ter comportamento dócil. As fêmeas que doarem, tanto de cães quanto de gatos, não podem estar prenhes. É importante definir junto ao local que receberá o sangue se seu pet atende a todos os requisitos para ser um doador.

O sangue coletado passa por um processo de centrifugação em equipamento especial, que separa os principais componentes para uso terapêutico: hemácias, plaquetas e plasma. Cada um desses componentes é utilizado para tratamentos específicos. Dessa forma, o sangue doado poderá ser utilizado por animais que enfrentem anemias severas, estejam com alta infestação parasitária, tenham sido atropelados ou sofrido quaisquer outros acidentes que culminaram na perda de sangue, o que também pode ocorrer em algumas cirurgias, além do uso em certos problemas de sangramento e outras doenças sanguíneas.

Kauê Ribeiro da Silva, veterinário e analista de desenvolvimento de produtos da Vetnil, reforça que a doação de sangue, além de ser uma ação de altruísmo e solidariedade, traz muitas vantagens para os cães e gatos doadores. “Para cães, inclui-se a realização de exame físico geral e exames de sangue (hemograma e perfil renal) de forma gratuita, bem como a identificação de certos agentes infecciosos associados à doença do carrapato, além de exames para detecção de leishmaniose e dirofilariose. Para os gatos doadores, também é realizado exame físico geral, exames de sangue (hemograma completo e bioquímica sérica para perfil renal), além da sorologia para FIV e FeLV entre outros exames variáveis entre os hemocentros”.

O veterinário acredita ainda que a principal causa da falta de bolsas de sangue nos hemocentros é o desconhecimento do tutor, apesar de o processo ser simples. Basta apenas contatar um banco de sangue veterinário e realizar o agendamento. “É muito importante que as pessoas tomem conhecimento dessa possibilidade e compartilhem essa ideia para que mais cães e gatos doadores existam. Pouco tempo para quem doa se transforma em muitos anos para quem recebe. Nós daríamos tudo por mais uma chance para nossos pets, certo? Então, que tal doar essa chance para outros pets também?”, complementa Kauê.