Talentos extraordinários: Como as marcas podem contribuir para o esporte paralímpico

25 de agosto de 2021

Patrocínios ao paratletismo estimulam o surgimento de novos esportistas, além de ampliar as práticas de inclusão, cada vez mais presentes no mundo corporativo

A atividade física é reconhecida por apresentar inúmeros benefícios à saúde física, mental e psicológica. Mas quando falamos dessa prática por pessoas portadoras de deficiência, os ganhos são ainda maiores, capazes de promover uma verdadeira reconstrução de vida, superando obstáculos e seus próprios limites. Por meio do esporte, é possível prevenir doenças secundárias à deficiência, interagir socialmente e descobrir novas possibilidades, mesmo com as limitações físicas.

Tais práticas, seja a princípio como um meio de reabilitação, diversão ou competição, trazem benefícios como agilidade, equilíbrio, força muscular e velocidade, que poderão ser aplicados, inclusive, nas atividades diárias. E isso influencia diretamente em outras questões, como a melhora da autoestima, motivação para desafios futuros e a inclusão social.

Nesse sentido, o apoio das marcas é fundamental para a popularização do esporte para esse público. Novos aportes e cotas de patrocínio vindos, continuamente, das iniciativas privadas, podem contribuir imensamente para o surgimento de novos talentos, que representarão o país em competições mundiais. Essas iniciativas devem contemplar também a formação e educação desses atletas, fatores determinantes para a transformação e evolução de qualquer sociedade, abrindo as possibilidades de carreiras dentro e fora do âmbito esportivo.  

Autointitulados como extraordinários, os paratletas brasileiros que transpuseram seus limites e hoje estão nos Jogos de Tóquio, contaram com o apoio de grandes empresas como a Vetnil, uma das líderes do setor veterinário no Brasil e parceira do Clube Amigos do Deficiente (CAD), do qual faz parte Claudiney Batista dos Santos, recordista mundial em atletismo, na categoria arremesso de disco.      

As contribuições da Vetnil para o CAD fazem parte de um conjunto de ações de responsabilidade socioambiental da empresa, que apoia diversas ONG’s e instituições de causas animais e sociais, assim como seus projetos. “Não poderíamos agir de forma diferente, já que somos reconhecidamente uma empresa parceira de quem cuida. É muito gratificante saber que estamos fazendo parte da mudança de vida de tantas pessoas, além de contribuir para a história e sucesso dos paratletas que representarão o país este ano”, destaca Vera Ribeiro, presidente da empresa.

Em 2016, o Brasil conquistou 19 medalhas nos Jogos Paralímpicos, ficando em 13º lugar na competição, com destaque para as modalidades de atletismo e natação, que trouxeram o ouro ao país. Nessa última edição, que aconteceu em solo brasileiro, o CAD foi representado pelos paratletas Paulo Cesar dos Santos “Jatobá”, Erick da Silva e Celestino Suursoo no basquete masculino; Rosália Ramos e Ana Aurélia, no basquete feminino; Jerusa Geber dos Santos e Claudiney dos Santos, que foi o destaque do atletismo na competição.

“Sabemos da importância desse apoio ao esporte. São muitos profissionais que trabalham e se superam todos os dias para a realização de um sonho e fazer o esporte acontecer no país. É muito importante que mais empresas tenham a iniciativa de olhar para as instituições que apoiam essa causa e passem também a contribuir para essa trajetória de sucesso e superação” conclui Vera Ribeiro.