Número de queimadas no Brasil até agosto já supera a quantidade contabilizada no mesmo período em 2020

5 de outubro de 2021

A Associação Mata Ciliar, entidade parceira Vetnil, aborda sobre o tema na semana em que se comemora o Dia Mundial dos Animais

Em 4 de outubro foi comemorado o Dia Mundial dos Animais, data que visa conscientizar a sociedade sobre a importância que os animais têm na vida dos seres humanos e do planeta Terra, ressaltando o respeito e o compromisso que toda a humanidade deve ter com o meio ambiente.

Apesar dos propósitos da data, nos últimos anos o número de queimadas em território brasileiro vem aumentando, afetando diretamente a fauna e a flora do país. Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), mostram que entre 1º de janeiro a 26 de agosto foram detectados mais de 85,4 mil focos ativos de queimadas pelo Brasil.  

De acordo com Samuel de Oliveira Nunes, coordenador de comunicação da Associação Mata Ciliar (AMC), entidade parceira Vetnil, em função das altas temperaturas, a incidência de queimadas aumenta consideravelmente entre os meses de agosto a novembro. “Essa situação está se agravando em decorrência do aquecimento global e pela prática de incêndios criminosos. Prestamos atendimento médico veterinário a animais vítimas de queimaduras e suas consequências, como desnutrição, filhotes órfãos e etc”, explica.

A ACM é uma entidade sem fins lucrativos que atua desde 1987 no desenvolvimento de diversas ações para a conservação da biodiversidade. Atuando há mais 26 anos com fauna, mais de 32 mil animais silvestres já foram atendidos e 14 mil reabilitados. A instituição conta com unidades nas cidades de Araçatuba, Jundiaí e Jaboticabal, todas localizadas no interior de São Paulo.

“O Brasil detém a mais rica diversidade natural do planeta e toda essa riqueza tem sido ameaçada pelo desmatamento, queimadas, ocupação desordenada do solo, caça ilegal e tráfico de animais silvestres. Nesse sentido, nossa atuação no Centro de Reabilitação de Animais Silvestres, em Jundiaí, está se ampliando e estamos prestando atendimento veterinário, reabilitação e soltura até o monitoramento destes no ambiente natural. Recentemente, atendemos animais vítimas de queimadas no Pantanal e na Serra do Japi. Neste último, montamos uma base na cidade de Cajamar, porém infelizmente muitos animais morreram antes mesmo do atendimento. O índice de resgatados que sobrevivem é muito pequeno e os que conseguem escapar acabam sendo atropelados nas estradas, por exemplo”, lamenta Samuel.

Apesar de todo o empenho e dedicação da equipe de colaboradores e voluntários da Associação Mata Ciliar, a entidade conta com a ajuda de parceiros para que possa realizar um trabalho de excelência. Entre as empresas que apoiam a AMC está a Vetnil, que atua em pesquisas e no desenvolvimento de produtos para a saúde e bem-estar dos animais e performance de pets e de equinos.

“Temos muito orgulho em sermos parceiros da instituição. Eles realizam um trabalho fundamental para manter a biodiversidade da fauna e flora brasileira. Nossa contribuição é feita por meio da doação de medicamentos e suplementos, itens essenciais para manter os atendimentos aos animais”, pontua Cristiano de Sá, diretor de marketing e novos negócios Vetnil.

Muitos animais recebidos pela Associação Mata Ciliar retornam à natureza. Porém outros, por alguma sequela física ou psicológica, permanecem em cativeiro. “Nesse sentido, precisamos da ajuda da sociedade para manter e melhorar o bem-estar desses animais. Oferecemos a opção de adotar um animal simbolicamente por ano. Entre as espécies, temos arara, lobo-guará, onça-parda, jaguatirica e bugio”, conclui Samuel.

A doação pode ser feita via depósito bancário ou Pag Seguro através de contribuições mensais de 20 reais, totalizando 240 reais ao ano. Para mais informações acesse: www.mataciliar.org.br.