30_08_16_Release_Jogos Paralimpicos 2016 (2)

Vetnil torce pelo sucesso dos atletas durante os jogos Paralímpicos 2016

30 de agosto de 2016

A Vetnil, uma das líderes em saúde animal no Brasil, mantenedora do CAD (Clube Amigos dos Deficientes) desde de 2004 e que tem Vera Ribeiro, presidente da empresa, como uma das fundadoras, torce e acredita no potencial dos atletas da entidade convocados para os jogos Paralímpicos 2016, que se iniciam em setembro.

De acordo com Silvia Vieira de Souza, diretora de eventos do CAD, a Vetnil foi a primeira empresa que acreditou neste projeto. “Sempre nos apoiou e patrocinou desde os custos, como alimentação, passagens, uniformes até cadeiras adaptadas para deficiência, entre tantas outras coisas que surgem no dia-a-dia. Este incentivo foi fundamental para os treinos e os desempenhos dos atletas. Só temos que agradecer à Vetnil por acreditar no CAD”, declara.

Esta iniciativa faz parte das ações de responsabilidade social e sustentabilidade da Vetnil. “Estamos muito felizes por fazer parte deste projeto e de alguma forma da história dos jogos Paralímpicos, que neste ano acontece no Brasil”, afirma Cristiano de Sá, diretor de marketing e novos negócios da Vetnil.

Os atletas paralímpicos, auxiliados pela instituição, estão intensificando a rotina de treinos, assim como a preparação nutricional e psicológica para competir de igual para igual com os paraesportistas vindos de todas as partes do mundo. “Acreditamos que todos devem se destacar de alguma forma, mas os jogadores Paulo Cesar dos Santos (Jatobá), Erick da Silva e Celestino Suursoo, sob o comando do técnico italiano Matteo Feriani, que irão defender a nossa seleção de basquete sobre cadeiras de rodas devem brilhar. Eles estão treinando duro, assim como a nossa lateral Rosália Ramos e a armadora Ana Aurélia, que estão muito preparadas e irão brigar por medalhas no basquete feminino sobre rodas”, enumera Silvia.

Sobram expectativas, ainda, pelos desempenhos de Claudiney dos Santos (recordista das Américas) e Jerusa Geber dos Santos, do atletismo. “O Claudiney irá competir no lançamento de dardo e a Jerusa, nossa velocista, participará dos 100 e 200 metros rasos. Todos estão muito focados, treinando de segunda à sexta durante cinco horas por dia”, complementa a diretora do CAD.

Em 2012, o Brasil ficou em 7º lugar em Londres, duas posições acima em relação a 2008, em Pequim. “Estes atletas já são vencedores na vida, uma vez que ultrapassam seus limites para alcançar seus objetivos. Por isso, é fundamental que contem com incentivos para o desenvolvimento do desporto e a motivação para atingir todas as suas metas e conquistar uma excelente colocação nos jogos”, complementa Sá.

A abertura das Paralimpíadas Rio 2016 promete ser um espetáculo, assim como a abertura dos Jogos Olímpicos que se encerraram no último dia 21 de agosto. Com direção criativa do escritor e cadeirante Marcelo Rubens Paiva, do renomado artista plástico Vik Muniz e do designer Fred Gelli.