05_10_16_jogos-paralimpicos-2016-3

Vetnil celebra êxito das Paralimpíadas 2016

5 de outubro de 2016

No dia 22 de setembro foi comemorado o Dia Nacional do Atleta Paralímpico e a data teve um gosto especial para a Vetnil, mantenedora do CAD (Clube Amigos dos Deficientes) que tem Vera Ribeiro, presidente da empresa, como uma das fundadoras da entidade.

Isto porque essa edição dos jogos Paralímpicos foi histórica, tanto pelo recorde de público, como devido a uma maior cobertura por parte da imprensa nacional na comparação com anos anteriores, especialmente pelo evento ter sido realizado no Brasil, acredita Silvia Vieira de Souza, diretora de eventos do CAD.

“De acordo com a CNN, rede de notícias norte-americana, essa foi a segunda maior Paralimpíada em termos de emissão de bilhetes. A estimativa é de que 1,9 milhão de unidades foram vendidas entre brasileiros e estrangeiros. Isso nos deixa extremamente orgulhosos, porque as pessoas acompanharam de fato a superação dos atletas paralímpicos”, analisa Silvia.

Para ela, o balanço do desempenho dos atletas do CAD durante os jogos foi excelente. “Conquistamos uma medalha de ouro no lançamento de disco com o atleta Claudiney dos Santos, que quebrou o recorde paralímpico com a marca de 45,33m. Além disso, os representantes do CAD/Vetnil no basquete sobre cadeira de rodas no masculino e no feminino tiveram a melhor campanha do Brasil em Paralimpíadas”, conta ela.

O basquetebol masculino, que teve a participação do armador Paulo César dos Santos, o Jatobá, e do pivô Erick Epaminondas, finalizou a competição como o quinto melhor, enquanto as mulheres, que contaram com a ala Rosália Ramos e a armadora Ana Aurélia, foram sétimas colocadas.

O desempenho dos atletas e da organização destas Paralimpíadas, portanto, reforça a necessidade de empresas e cidadãos seguirem apoiando as pessoas com algum tipo de deficiência, fortalecendo a autoestima e inserindo as mesmas na sociedade de um modo geral.

Vera Godoy Ribeiro, presidente da Vetnil, fundadora e mantenedora do Clube Amigos dos Deficientes, acredita que o CAD se fortalece como entidade formadora de atletas de alto rendimento.

“A expectativa é buscar mais companhias a fim de apoiar a organização não governamental a seguir o trabalho de excelência que já exerce em nosso país, estimulando a inclusão social e ampliando a estrutura que o CAD já oferece”, finaliza D. Vera.

Fotos: Comitê Paralímpico Brasileiro